Thursday, September 12, 2013

Síndrome dos ovários policísticos



Uma alimentação adequada – rica em legumes, verduras e frutas e pobre em gorduras, açúcares e sódio –, aliada à realização de exercícios físicos – a Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza trinta minutos diários –, tem um papel preponderante na saúde feminina. Além de reduzir os riscos de doenças cardiovasculares, essas medidas também são essenciais no tratamento da síndrome dos ovários policísticos, condição que atinge até 10% das mulheres em idade reprodutiva em todo o mundo.
Caracterizada pela falta de ovulação e também pelo excesso de hormônios masculinos (principalmente a testosterona) no organismo, a doença tem sintomas decorrentes dessas duas disfunções. A mulher menstrua de forma irregular ou, em alguns casos, não menstrua, sendo essa a principal queixa que a leva ao consultório médico. Sem ovular, ela pode ter dificuldade para engravidar. A síndrome é responsável por 30% dos casos de infertilidade feminina.
Além disso, é comum apresentar excesso de pelos no corpo, alterações na pele – como aumento da oleosidade, espinhas e cravos – e ovários de volume aumentado por causa da presença de cistos na superfície desse órgão.
Outra característica importante da doença é o aumento de peso. “O sobrepeso é um sintoma, mas também uma causa”, destaca o Dr. Mariano Tamura, ginecologista do Einstein. “As alterações hormonais por si só podem levar ao sobrepeso, mas ele também pode estar relacionado à resistência de insulina e, dessa forma, levar à síndrome”, explica. As estimativas mundiais calculam que 50% das mulheres com síndrome dos ovários policísticos tenham sobrepeso ou obesidade, e o ganho de peso piora a condição da doença.


Cistos no ovário x síndrome

Quando um cisto aparece no ovário pode representar um tumor (benigno ou maligno), endometriose ou outros problemas, como a síndrome dos ovários policísticos. Porém, uma mulher cujo exame tenha identificado cistos no ovário não necessariamente terá a síndrome. “Algumas mulheres podem ter a síndrome dos ovários policísticos sem ter alterações no órgão. Nesse caso, ela tem todas as variações hormonais decorrentes da doença, menos o problema no ovário”, revela o Dr. Waldyr Oliva Filho, também ginecologista do Einstein. Da mesma forma “existem mulheres que apresentam cistos nos ovários, mas que não têm a síndrome” completa o Dr. Mariano.
O diagnóstico da síndrome é feito por meio de análise clínica (queixas da paciente com relação aos sintomas mais perceptíveis, como menstruação irregular e acnes) e também por exames de ultrassonografia e de sangue. Este último mede os níveis dos hormônios luteinizante (LH) e folículo estimulante (FSH), que atuam no amadurecimento dos folículos que contém os óvulos; de prolactina, hormônio que estimula a produção de leite e a ausência de menstruação; de testosterona, o hormônio masculino; e de estradiol, o hormônio feminino produzido pelos folículos ovarianos.
“É importante pedir também o exame de curva glicêmica e de resistência à insulina. Ambos devem ser investigados para identificar uma possível síndrome metabólica”, alerta o Dr. Waldyr. Quando o corpo não consegue utilizar de maneira eficiente a insulina produzida (a chamada resistência à insulina, principal característica da síndrome metabólica), descompensa todo o funcionamento hormonal e leva os ovários a um funcionamento errôneo, trazendo como consequência a síndrome dos ovários policísticos. Vale ressaltar que a síndrome metabólica aumenta também o risco de problemas cardiovasculares e do desenvolvimento de diabetes e de hipertensão arterial. 

Tratamento

Exercícios físicos e alimentação balanceada são dois valiosos aliados no tratamento da síndrome dos ovários policísticos, principalmente quando ela está ligada ao excesso de peso e à síndrome metabólica. Evitar gorduras e açúcares, além de abandonar o sedentarismo pode ser o caminho simples para a mulher recuperar a fertilidade. “Essa é uma das linhas de tratamento. A mudança no estilo de vida é capaz de reduzir a incidência da doença. A correção do peso contribui para a correção do metabolismo”, explica o Dr. Mariano.
Mas uma melhora na qualidade de vida pode não ser suficiente para muitas mulheres, que precisarão fazer uso de medicamentos. No caso daquelas que não pensam em engravidar, a pílula anticoncepcional é a opção mais prescrita. “Há uma melhora dos sintomas em curto prazo. Os ovários descansam, a oleosidade da pele diminui e a menstruação se normaliza. Além disso, o remédio regula o metabolismo hormonal e protege contra problemas futuros”, conclui o Dr. Mariano.
Mulheres com síndrome dos ovários policísticos têm risco aumentado para o desenvolvimento do câncer de endométrio porque pode haver um espessamento dessa região do útero em quem tem a doença. Os medicamentos, principalmente as pílulas anticoncepcionais, não permitem que isso aconteça.
Já para aquelas que estão tentando engravidar, o médico pode indicar um remédio para estimular a ovulação. Mulheres com resistência à insulina poderão fazer uso da metformina, que ajuda a corrigir distúrbios metabólicos envolvidos.
Porém, seja qual for a intenção, o acompanhamento médico é essencial. Logo após o diagnóstico as consultas devem ser semestrais. Com o passar do tempo, elas podem passar a ser anuais.


Fonte:Hospital Albert Einstein

PS: A pílula anticoncepcional é a opção mais prescrita o que não significa ser a opção mais saudável, seu uso deve ser criterioso.

7 comments:

  1. E qual é a opção mais saudável? Continuar com acne (pq tratamentos tópicos e cuidados de pele não funcionam) e hirsutismo em meio às pressões de "Nossa! Com a pílula vc resolveria tudo isso" (como se eu não soubesse!) tem sido cada vez mais difícil, rs...

    ReplyDelete
  2. Olá Thais.

    Como o próprio texto diz, o anticoncepcional traz uma melhora a curto prazo. Como não há uma cura, usar o tratamento hormonal só mascara algo que pode sempre estar presente. Por isso atividade física, nutrição funcional, acompanhar o ciclo com o MOB para observar sua dinâmica já é um bom começo.

    ReplyDelete
  3. Os cistos acumulados no ovário serão expelidos naturalmente sem uso de medicamento?

    ReplyDelete
  4. O melhor tratamento para SOMP é a mudança de alimentação. O principal vilão do ovário policístico é o açúcar (carboidrato). Portanto a mudança da alimentação deve se dar por uma alimentação que chamamos "pobre em carboidratos" e rica em proteínas, frutas e legumes. O carboidrato ingerido deve ser sempre integral e o açúcar cristal (sacarose), deve ser substituído por fomas mais saudáveis como stevia, mel. O leite de vaca e derivados, que eleva muito os níveis de insulina, também devem ser substituídos ou retirados da alimentação. Como substitutos do leite de vaca existem o leite de cabra, de coco, de amêndoas, de avelã. O leite de soja não serve como substituto para o leite de vaca para pessoas com SOMP, porque tem altos níveis de estrógeno, que já é alto em pessoas com SOMP.
    Um medicamento para diabeticos, tem sido muito usado em pessoas com SOMP, e tem dado ótimos resultados, inclusive no que diz respeito à gravidez Esse remédio é chamado Metformina.
    Outro medicamento, que funciona de forma bem parecida com a Metformina, porém é um medicamento considerado mais natural, porque é um suplemento mineral é o Picolinato de cromo.
    Existem outros medicamentos naturais para o tratamento de SOMP, no entanto no momento não sei se são disponíveis no Brasil, eu teria que fazer uma pesquisa para afirmar depois...

    ReplyDelete
    Replies
    1. E a linhaça se enquadra nessa categoria como a soja? Pois li que possui uma forma natural do estrógeno.

      Delete
  5. A 1 ano descobri de tenho SOP e até então só havia tomado a metformina mas não vi muitas mudanças, comecei a tomar o picolinato de cromo a menos de 1 mês e já vi muita diferença no organismo. Minha menstruação já não vinha a uns 3 meses e dessa vez veio normal. Achei muito satisfatório o uso do suplemento.

    ReplyDelete
  6. A 1 ano descobri de tenho SOP e até então só havia tomado a metformina mas não vi muitas mudanças, comecei a tomar o picolinato de cromo a menos de 1 mês e já vi muita diferença no organismo. Minha menstruação já não vinha a uns 3 meses e dessa vez veio normal. Achei muito satisfatório o uso do suplemento.

    ReplyDelete