Monday, November 19, 2012

Fertilidade Inteligente


Diariamente nos consultórios médicos são prescritos contraceptivos químicos a mulher. Geralmente sua escolha está motivada na alta eficácia para se evitar a gravidez, permitindo a mulher se sentir segura e confortável no cuidado com seu corpo.

Essa decisão quase sempre se dá de forma automática, simplesmente porque  acostumamos com uma mentalidade contraceptiva. O ciclo menstrual foi reduzido a um mal necessário, levando a mulher a uma superficialidade da vivência da sua capacidade reprodutora.

Ao mesmo tempo, acompanhamos a multiplicação de clínicas especializadas em ajudar as mulheres a engravidar, bem como a movimentação de sites, revistas e redes sociais que produzem conteúdo sobre o tema. A incoerência de toda essa realidade, se encontra no fato de que a mulher que anula a sua fertilidade com contraceptivos químicos é a mesma que anos depois une todos os esforços necessários para conseguir engravidar.

Na tentativa de conceber, as funções reprodutoras encontram um novo sentido, o amadurecimento do óvulo, a preparação do útero para abrigar a vida em desenvolvimento, as diferentes fases do ciclo, passam a ser valorizadas. É como se a mulher fizesse as pazes com a sua natureza fértil.

A fertilidade não se reduz ao um único evento fisiológico. O processo de liberação do óvulo é um mecanismo complexo. Um sistema hormonal altamente especializado comandará as alterações no corpo feminino, porém estas modificações não se reduzem aos efeitos físicos e químicos são também comportamentais. Durante o período fértil, a mulher inicialmente perceberá mudanças no seu humor, é um "estar de bem com a vida", a memória, a percepção, o olfato, a disposição mental, e a energia física se intensificam. A auto-estima se eleva, a mulher torna-se mais confiante e segura, é motivada inconscientemente a se cuidar e o modo de se vestir se modifica. O período fértil é um momento de extroversão, de receptividade, de percepção, favorecendo as relações na família, no trabalho, no matrimônio. Ou seja, a fertilidade não é um material de consumo, comprável só no momento da necessidade, que ora se rejeita e ora se aceita.

Apesar de muitas mulheres acreditarem, que a condição fértil seja algo impossível, milhares de mulheres ao redor do mundo tem provado do contrário. Elas aprenderam a administrar a fertilidade, passando da condição de vítimas do próprio corpo, para protagonistas, e esta sim, é a condição da verdadeira saúde reprodutiva.

O Método de Ovulação Billings (MOB), é um método natural para se administrar a fertilidade, longe se ser uma tabelinha ou algo empírico, este permite a mulher reconhecer o sinal natural da fertilidade, o muco cervical, que é produzido pelo corpo no tempo que antecede a ovulação. Este é o sinal mais confiável do período fértil, são 50 anos de pesquisas científicas que o comprovam. O MOB é  99% eficaz para se adiar uma gravidez, e tem otimizado casais a alcançar uma gestação com sucesso.

A fertilidade não é um fragmento desconexo da feminilidade ou um mero processo acidental. Nela está contida a capacidade de ser berço da vida e elo da continuidade da história da humanidade, na mulher a vida é acolhida e nutrida. Um corpo saudável é fértil, e o conhecimento dos processos biológicos resgatam o verdadeiro significado de saúde reprodutiva. Se faz necessário nos tempos atuais, um resgate da estima da fertilidade, já que está é uma aliada da mulher e não uma inimiga.




Thursday, October 4, 2012

É possível ovular duas vezes em um ciclo? Isso afeta a confiabilidade do método?



É possível ter dois ou mais óvulos  liberados em um ciclo, mas toda a evidência científica demonstra que este ocorrerá sempre  no mesmo dia, desta forma todos os aspectos do Método de Ovulação Billings ainda são aplicáveis. 

Algumas mulheres que vivenciam um stress súbito no início do seu ciclo por exemplo, podem perceber alteração no padrão de muco seguido de uma pequena evolução, porém o dia ápice não é identificado, e o padrão básico de infertilidade (PBI) retorna. Posteriormente, reconhece novamente uma alteração no PBI e o retorno de um padrão fértil que progride até o Ápice, e seu ciclo termina naturalmente com o ínicio da menstruação. Em tal caso, o ciclo será mais longo com dois momentos de alteração no PBI, mas apenas um ápice, ou seja apenas um dia de ovulação. Se uma mulher não está familiarizado com o Método de Ovulação Billings ela pode erroneamente pensar que ovulou duas vezes, mas não foi isso que ocorreu.

Wednesday, September 19, 2012

Cirujana: La pastilla anticonceptiva es un “coctel de molotov” para el cáncer de seno


Kathleen Gilbert
WASHINGTON, Distrito de Columbia – 8 de diciembre 2010 (Notifam) –  ¿Cuán a menudo en los Estados Unidos de América se prescribe el carcinógeno del grupo uno – aquel reconocido como una causa “definitiva” de cáncer – a pacientes que están saludables?

La respuesta es: tan a menudo como prescriben la píldora hormonal de control de la natalidad.

Este dato poco conocido sobre la píldora fue presentado por la doctora Angela Lanfranchi, una cirujana oncóloga del seno y cofundadora del Instituto de Prevención del Cáncer de Seno, quien compartió su pericia sobre la droga en el congreso titulado “50 Años de la Píldora,” el cual se llevó a cabo el pasado viernes en Washington, Distrito de Columbia en los Estados Unidos de América.

“¿Cuándo está bien que se le de un carcinógeno del grupo uno a una mujer saludable?” ella le preguntó a la audiencia. “No tenemos que tomar un carcinógeno del grupo uno para estar liberadas.”

La doctora Lanfranchi ofreció una gran cantidad de datos estadísticos provenientes de varias fuentes que sirven de apoyo a un hecho, que es conocido dentro de la comunidad médica pero que raramente es reconocido: el uso de la píldora ha sido fuertemente vinculado con el alto riesgo de cáncer de seno.  También se cree que la píldora aumenta el riesgo del cáncer cervical y el cáncer de hígado.

“Estas cosas no son nuevas, no es magia; se encuentra dentro de la literatura (médica),” ella dijo, vinculando el uso de la píldora a un 660% de riesgo en cáncer de seno no invasivo, desde 1973. “Las mujeres quieren saber, y las mujeres tienen el derecho de saber, lo que los investigadores han sabido por más de 20 años.”

Ella comparó el trato dado al riesgo de cáncer por los medios de comunicación, a lo sucedido con la terapia de reemplazo hormonal, de la cual se encontró, en 2002, que era un carcinógeno. Una vez que se supo, 15 de las 20 millones de mujeres en los Estados Unidos dejaron de tomarla. Ya para 2007, los casos de cáncer de seno invasivo en las mujeres de más de 50 años de edad, debido al estrógeno receptivo de tumor positivo, cayeron en un 11%.

Mientras tanto, ella dijo, el anticonceptivo hormonal – en esencia, la misma droga como la terapia de reemplazo hormonal y con el mismo riesgo de cáncer, cerca de un 25 a un 30% – continúa siendo promovida como libre de riesgo, y hasta saludable. Sin embargo, en 2005 la Agencia Internacional de Investigación del Cáncer, una rama de la Organización Mundial de la Salud, clasificó las hormonas anticonceptivas como un carcinógeno del grupo uno, al igual que lo son el asbesto y la radio.

No fue igual, como sucedió con el descubrimiento sobre la terapia de reemplazo hormonal, pues “yo no recuerdo alguna noticia durante el horario noticioso de las seis de la tarde, en que se diese esta información,” dijo la doctora Lanfranchi.

Aún cuando los libros de medicina apuntan a un 30% de aumento en riesgo de cáncer, la doctora Lanfranchi observó que prevalecía una actitud desdeñosa: “Considerando los beneficios de la píldora,  este leve aumento de riesgo  no es clínicamente significativo.”

¿No es clínicamente significativo? “¿Para quién?” preguntó la doctora Lanfranchi, mostrando una fotografía de una de sus propias pacientes de cáncer, la señora Suellen Bennett. Aún cuando el cáncer de seno causado por la píldora, a menudo es detectado a tiempo, ella siguió diciendo, los “beneficios” de la píldora apenas son una razón para no hablar de sus peligros.

“Esto es a lo que uno se tiene que enfrentar cuando ya está curado. Uno pierde el pelo, pierde el seno,” ella dijo. Si a Suellen le hubiesen hablado de los riesgos, dijo la doctora Lanfranchi, “ella bien podría haber sido una de esas mujeres que hubiesen optado por no tomar la píldora.”

La cirujana explicó que el estrógeno adicional que se recibe al tomar la píldora, no solamente causa una multiplicación excesiva del tejido del seno – lo que usualmente ocurre durante el ciclo de la menstruación – pero además, cuando se metaboliza, puede dañar de modo directo el ADN del tejido del seno.

Debido a que el tejido del seno se mantiene susceptible al cáncer hasta que pase por una transformación estabilizadora durante el proceso de embarazo, dijo la doctora Lanfranchi, la píldora es particularmente peligrosa para las mujeres que todavía no han tenido su primer hijo, siendo éstas las que pertenecen al sector demográfico que más usan la píldora en los Estados Unidos.

Para mostrar cuán grande es la amenaza de la píldora para las jóvenes, la doctora Lanfranchi citó de varias estadísticas. También citó de una meta-análisis en 2006 de la Clínica de Mayo en los Estados Unidos, en que se señaló que el riesgo de cáncer de seno aumenta en un 50% para las mujeres que toman anticonceptivos orales por cuatro años o más antes de un embarazo llevado a término. En 2009, el Centro de Investigación de Cáncer de la Fred Hutchinson, determinó que las mujeres que empiezan a tomar la píldora durante su adolescencia, están cuatro veces más propensas a contraer el cáncer de seno triple negativo. Aún más alarmante son los datos del oncólogo sueco, el doctor Hakan Olsson, quien concluyó que el uso de la píldora antes de los 20 años de edad, aumenta el riesgo de cáncer de seno en la joven muchacha en más del 1000 por ciento.

“Es como si uno tomara este coctel de molotov de un carcinógeno del grupo uno y se la tirara dentro del seno de la joven muchacha,” dijo la doctora Lanfranchi. “¿Acaso esto no constituye abuso de menores?”

En un mundo en que el 50% de los adolescentes usan la pastilla, la doctora Lanfranchi lamentó que los esfuerzos por públicamente controvertir la profunda dependencia social en la píldora se ha hecho casi imposible – aún cuando, con el mensaje, se salvarían innumerables vidas de mujeres. Ella comprende la dificultad que tienen los médicos en aceptar esa realidad.

“Es difícil hablar de esto porque uno está cambiando la cultura……Yo quiero pensar que hice el bien, que yo ayudé a mis pacientes, que las cosas son mejores por lo que yo hice,” ella dijo. “Luego de  una carrera de 25 años, me entero que yo he estado dispensando un carcinógeno del grupo uno durante los últimos 25 años, y entonces me voy a resistir en aceptar ese hecho.”

Wednesday, September 12, 2012

Anticoncepcional não oral aumenta o risco de trombose

Um novo estudo afirma que anticoncepcionais não orais, como adesivos e anéis vaginais, trazem risco de trombose venosa maior do que o da pílula.

A pesquisa foi publicada no periódico “British Medical Journal” e analisou dados de registros da Dinamarca envolvendo mais de 1,5 milhão de mulheres com idades entre 15 anos e 49 anos, acompanhadas de 2001 a 2010.

Segundo o estudo, o risco do adesivo hormonal é 2,5 vezes maior que o das pílulas de segunda geração (“antigas”), à base de levorgestrel. Já o anel vaginal apresenta um risco duas vezes maior. Comparadas com mulheres da mesma idade que não usam métodos hormonais, aquelas que usavam o adesivo têm um risco oito vezes maior, enquanto que quem usava o anel vaginal apresenta um risco 6,5 vezes maior.

O risco dos métodos contraceptivos não orais, porém, ainda é mais baixo do que o das pílulas mais modernas contendo drospirenona, como Yaz e Yasmin.

Em 2011, a FDA (agência dos EUA que regula drogas) discutiu a segurança das novas pílulas e incluiu um risco maior em suas bulas.

Estudos anteriores registraram 30,8 casos de trombose por 100 mil mulheres que tomaram as pílulas mais modernas e 12,5 casos por 100 mil das que usaram as antigas.

Segundo a pesquisa, o implante subcutâneo apresentou risco um pouco maior que o de mulheres que não usam anticoncepcionais hormonais. Já o DIU hormonal até diminuiu o risco, segundo os autores do estudo.

Isso se explica porque o implante usa apenas progesterona. Pílulas com apenas esse hormônio não aumentam o risco de trombose.

Mas, segundo o professor de ginecologia da Unicamp Carlos Alberto Petta, o risco absoluto de métodos hormonais ainda é muito baixo.“Não é necessário alarme. Ainda são eventos raros que, em geral, acontecem em quem tem fatores de risco. Ninguém precisa correr para trocar de método.”

Já Gilberto Narchi Rabahie, cirurgião vascular do Hospital do Coração, faz uma ressalva. “O estudo não especifica os tipos de trombose, se são superficiais ou profundas, que são mais graves.”

Mas Petta diz que o estudo é importante por mostrar que outras vias de administração não têm risco menor do que a pílula, como se pensava.

Ele lembra ainda que mulheres hipertensas, obesas, com diabetes, varizes grossas, antecedentes familiares de trombose e fumantes acima de 35 anos têm risco aumentado. Por isso, um médico deve indicar os melhores métodos para cada paciente.

Segundo o médico, a pílula é usada por cerca de 40% das mulheres. Depois vêm as laqueaduras (com 35%). “Nos 25% restantes estão todos os outros métodos.”




Texto original: http://megaarquivo.com/2012/05/11/5914-anticoncepcional-nao-oral-aumenta-risco-de-trombose/

Monday, September 10, 2012

Muco cervical tem propriedades bactericidas

O muco cervical é reconhecido como barreira mecânica de proteção ao feto em gestação; durante a gestação o mesmo se espessa, formando uma verdadeira "rolha", que impede a entrada de microorganismos na cavidade uterina. Agora, um novo estudo mostra que este muco pode também representar uma barreira biológica, apresentando propriedades antibacterianas.

Os resultados mostram que o muco cervical pode apresentar propriedades antibacterianas semelhantes às observadas no muco nasal. Ambos os fluidos representam barreiras ambientais para ambientes estéreis, como os pulmões e a cavidade uterina.

O estudo, publicado no American Journal of Obstetrics and Gynecology, concluiu que mulheres com predisposição a infecções uterinas e outras complicações podem apresentar deficiências na composição deste protetor natural. Os pesquisadores, liderados pelo Dr. Tomas Ganz da University of California em Los Angeles, realizaram análises em 60 rolhas de muco cervical de mulheres saudáveis, com idade entre 28 e 33,5 anos, coletadas durante parto a termo, e o muco cervical de mulheres não grávidas. 

Eles observaram que tanto as rolhas de muco de gestantes quanto o muco cervical de não grávidas continham proteínas do sistema imunológico, como a IgA. Substâncias presentes no muco cervical parecem ativas contra várias bactérias, principalmente Streptococcus do grupo B e cepas de E. coli. Estas atividades presentes no muco cervical o elevam ao patamar de barreira imunológica contra infecções da cavidade uterina. 

Provavelmente, dentro em breve será possível rastrear, dentre as mulheres que sofrem de infecções uterinas de repetição, aquelas que apresentam deficiência na síntese deste fluido natural.


Texto original: Bibliomed

Thursday, September 6, 2012

Período fértil e a anotação da mulher


O início do período fértil é reconhecido no gráfico do MOB, por uma interrupção no Padrão Básico de Infertilidade (PBI). Essa mudança se dá, porque a cérvix é sensível ao início do aumento da liberação de estrogênios. Gráfico - ver dia 10.

Ao longo dos dias é perceptível na anotação do gráfico, uma progressão no padrão fértil do muco, e essa fundamental mudança, também é produzida pelo aumento rápido dos níveis de estrogênios (fase de crescimento rápido do folículo), e ocorre porque um folículo avança rumo a ovulação. O detalhe fundamental deste muco, é que sua mudança evolui dia após dia, adquirindo características cada vez mais férteis. Gráfico - ver dias 11, 12, 13, 14 e 15.
O sintoma de muco progressivo marca a fase fértil do ciclo.

Após a fase de progressão do muco é identificável na anotação, um dia de sensação escorregadio/lubrificada, porém a visualização do muco é mínima ou impossível. Esta mudança é produzida pela progesterona, que é o segundo hormônio ovariano a entrar em ação. Gráfico ver dia 16.

Uma pequena quantidade de progesterona é liberada antes da ovulação, porém após a ovulação sua produção aumenta rapidamente. A presença da progesterona reverte totalmente a ação dos estrogênios na cérvix, e faz com que o muco rapidamente perca suas características férteis, mudança reconhecida facilmente no gráfico ("mudança da progeterona" ou PC = progesterone change). Gráfico ver dia 17.

O sintoma do último dia de sensação escorregadia/lubrificada é o evento mais importante no MOB, e o termo utilizado é DIA ÁPICE, ou seja, o dia da máxima fertilidade. A ovulação ocorre no Dia Ápice ou no dia do PC ou ocasionalmente no dia seguinte. Assim o PC localiza a ovulação num espaço de mais ou menos 24horas. Apesar da mulher não visualizar o muco fértil após o Ápice, o muco tipo fértil ainda está presente no canal cervical.


Os dias são referentes aos dias do ciclo.

Procure um instrutor do MOB, ele pode te ajudar.

Referência:
- Estudo sobre a Reprodução Humana. Atividade Ovariana, Fertilidade e o MOB/ Prof. James B. Brown.
- O Método Billings. Controle da fertilidade sem drogas e sem dispositivos artificiais/ Dr. Evelyn Billings e Ann Westmore


Tuesday, September 4, 2012

Método de Ovulação Billings e a amamentação



O uso do MOB durante a amamentação é completamente compatível. Além de ser uma escolha saudável para mãe e bebê. 

A maioria das mulheres experimentam um período de infertilidade natural após o parto, prolongado por muitos meses, princinpalmente se a mulher pratica o aleitamento exclusivo. É a infertilidade inteligente, o corpo atua naturalmente inibindo a ovulação enquanto a mãe necessita dedicar-se a nova vida, sem ter ocupações com uma nova gravidez aparentemente precoce. Assim que as necessidades do aleitamento materno diminuem, a fertilidade se reinicia. 

O Método de Ovulação Billings permite a mulher reconhecer o período de infertilidade. Como é uma prática saudável evitar qualquer medicação, enquanto for possível, durante a amamentação, o MOB proporciona um relacionamento sexual seguro e livre dos contraceptivos químicos, e evita a transferência de algum tipo de hormônio sintético através do leite materno.

A ovulação pode ocorrer antes da primeira menstruação, tornando-se importante que após as primeiras semanas pós-parto, a mulher inicie um registro das suas observações na vulva. Dessa forma, ela começa a ficar mais atenta aos sinais que antecedem a ovulação.


Um estudo realizado em Dublin-Irlanda, demonstrou que 100% das mulheres que usavam o MOB em período de amamentação, identificaram os primeiros sinais de retorno da fertilidade, mesmo após um tempo prolongado de infertilidade pós-parto. Destas, 84% declararam a identificacão "fácil".




Thursday, August 30, 2012

Endometriose e o Método de Ovulação Billings


Endometriose é definida como a presença de tecido endometrial fora do útero. Ocorre em 10-15% das mulheres em idade reprodutiva, e os locais mais frequentes de implantação do endométrio são os ovários, as tubas uterinas, órgãos urinários e intestinais. 

A endometriose é uma doença ginecológica multifatorial, crônica, benigna, estrogênio-dependente. Os sintomas característicos são infertilidade, cólicas menstruais intensas, dor durante a relação sexual, alterações do hábito intestinal (dor à evacuação, hemorragia retal) e urinário (dor na micção e presença de sangue na urina), dor pélvica antes e durante a menstruação, de forma cíclica na época menstrual.

A causa da doença é desconhecida, mas fatores de risco podem incluir início precoce da menstruação, alergias, obesidade e predisposição genética.

Cerca de 30-40% das mulheres com a doença, podem experimentar a infertilidade em virtude de cicatrizes produzidas nos órgãos reprodutivos. 

O MOB é capaz de monitorar a saúde reprodutiva da mulher, pois a manutenção do gráfico diário proporciona um registro preciso dos eventos hormonais, e a percepção de alterações ao longo do ciclo.

Por estar familiarizado com "seus padrões normais de muco cervical ", é provável que a mulher perceba as alterações no ciclo menstrual, logo no estágio inicial da doença, pois seu padrão torna-se perturbado e não pode se desenvolver normalmente, por exemplo a observação de um período menstrual prolongado, manchas ao longo do ciclo, dor cíclica.

Uma vez que a mulher aprende a reconhecer o que é normal "em seu ciclo", torna-se capaz de identificar o que não é.


Tuesday, August 28, 2012

Deixar a pílula


Quem se utiliza de pílula anticoncepcional há muito tempo, pode mudar para o Método de Ovulação Billings imediatamente?

Sim, é claro que pode! 
O primeiro passo é parar com a pílula anticoncepcional e começar a anotar as observações diárias percebidas na vulva.

Num período de 15 dias de registro, que pode se estender até 30 dias, já é possível reconhecer se a fertilidade retornou ou não e determinar o Padrão Básico de Infertilidade (PBI). 

Durante esse período inicial pós-pílula é aconselhável que se evite as relações sexuais, assim as caracterísitcas do padrão do muco não são alteradas pelo fluido seminal, ou pelas secreções associadas com o coito. Após esse tempo as normas comportamentais do método podem ser usadas normalmente.

Muitas mulheres, após deixar a pílula são inférteis por vários meses, o que é facilmente reconhecido. Mudanças deste padrão sugere uma alteração na fertilidade, com a necessidade de um pequeno período sem relações para os que desejam adiar a gestação. Desta forma pode se determinar o retorno da fertilidade.

Deixar a pílula é uma circunstância especial, e o fazê-lo com um instrutor é o ideal.

Friday, August 24, 2012

A mucosa endocervical



A anatomia do canal cervical é muito complexa. A mucosa endocervical é conhecida como glandular, de relevo irregular, apresenta pregas, ondulações, depressões e glândulas. Seu epitélio é formado por uma única camada  de células denominadas colunares, que são muco-secretoras, estas células respondem significativamente aos hormônios do ciclo reprodutivo.
As glândulas endocervicais apresentam um aspecto longo e tubular, algumas são profundas, outras superficiais, sua direção pode ser transversa, obliqua e longitudinal, são de difícil distinção e diferenciação devido ao grande número de pregas, podem ainda bifurcar-se apresentando uma abertura em comum e fundir-se apresentando duas aberturas, fusão que pode acontecer durante a gestacão (Odeblad, 1994). Existem 4 tipos diferentes  de glândulas, que estão distribuídos distintamente no canal cervical, conhecidas como G, L, S e P (figura), cada glândula produz um tipo diferente de muco, denominados muco G, L, S e P, como seus estímulos são hormônio-dependente, apresentam padrão cíclico sendo  observados em fases específicas do ciclo reprodutivo. Entre as aberturas das glândulas, são encontradas células sem diferenciação, denominadas células F, que também produzem um tipo diferente de muco, o muco F, de função fisiológica não identificada até o momento. Sua inervação vem do plexo para-cervical, mas as funções destes ainda é pouco conhecida, o que se sabe é que o neurotransmissor noradrenalina tem um efeito estimulante na secreção de muco S.

Mucus producing cells in a single layer lining an endocervical gland. Distinct cell borders. Round to oval, basally located nuclei of uniform size. Mucus in glandular lumen.




Wednesday, August 22, 2012

Microscopia dos diferentes tipos de muco

As modificações do muco cervical ao longo do ciclo são reflexos dos estímulos hormonais, mas cabe entender que esse muco é produzido em diferentes lugares, as glândulas G, L, S e P, que são facilmente identificados por sua viscosidade.  Já na microscopia óptica, os diferentes tipos de muco, formam malhas de muco que se diferenciam em diâmetro dos poros e estrutura dos cristais.



Tipos de muco
Microscopia
Viscosidade
Hormônio dependência

Muco L
Formação de cristais finíssimos com forma de folhas retangulares
Média
Estrógeno

Muco S
Formação cristais em configuração de "agulhas pequenas e estreitas".


Baixa (muito fluído)
Estrógeno





Muco G
Não apresenta formação de cristais.
Presença de células epiteliais, linfócitos, leucócitos, células com núcleos abundantes.


Alta
Progesterona







Muco P
Apresenta variações

Formação de cristais finíssimos e ramificações hexagonais
Baixa
Estrógeno



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Tuesday, August 21, 2012

Problemas na produção de muco cervical